retina

mctO presidente Michel Temer durante cerimônia alusiva a 1 ano de governo, no Palácio do Planalto, em Brasília (DF) - 12/05/2017 (Ueslei Marcelino/Reuters)

O presidente também afirmou que fará pronunciamento na TV após ter acesso aos áudios e vídeos obtidos pela Polícia Federal

Por Rafaela Lara

O presidente Michel Temer disse nesta quinta-feira que é “vítima de uma conspiração”.

Em reunião com senadores no início desta manhã, Temer abordou o assunto de maneira espontânea, sem ser questionado sobre a atual situação de seu governo após as revelações da delação premiada de Joesley Batista, dono da JBS.

Segundo o senador Sérgio Petecão (PSD-AC), o presidente se mostrou confiante e não revelou abatimento com as notícias veiculadas no início da noite desta quarta.  Temer abordou ainda os resultados positivos que vinham tendo a bolsa e o dólar, e que seriam afetados negativamente depois das revelações de Joesley.

Com convicção, Temer teria falado: “Estou firme, não vou cair.”

A manutenção da agenda surpreendeu os senadores. Os parlamentares esperavam por uma ligação do Planalto a qualquer momento informando o cancelamento da reunião. Após a conversa com os senadores, que durou cerca de 40 minutos, Temer cancelou os demais compromissos que envolviam encontros com 17 parlamentares.

Na reunião, o presidente também abordou a ideia de fazer um pronunciamento na TV aberta e, para isso, informou aos presentes que “mandou pedir os áudios e vídeos para, aí então, se pronunciar em cadeia nacional”.

Desde a noite de ontem, o Congresso Nacional segue esvaziado. Senadores, no entanto, avaliam nos bastidores que, apesar da delação revelar gravações de Temer, a situação do senador Aécio Neves (PSDB-MG) é ainda mais complicada que a do presidente.

Os áudios

Em áudios autorizados pela Polícia Federal, o presidente aparece dando aval para o pagamento de uma mesada ao ex-deputado Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro, segundo informações divulgadas pelo jornal O Globo na tarde desta quarta.

Segundo a reportagem, Temer teria indicado na frente de Joesley o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para solucionar um assunto da J&F (holding que controla a JBS), cujo conteúdo não foi revelado. Depois, Rocha Loures teria sido filmado recebendo uma mala com 500.000 reais enviada por Joesley.

Ainda de acordo com o jornal, o empresário teria afirmado a Temer que estava pagando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada para eles ficarem calados. Os dois estão presos — Cunha na Operação Lava Jato; e Funaro na Operação Sépsis. Diante desta afirmação, Temer teria dito: “Tem que manter isso, viu?”.

FONTE: VEJA

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Curta nossa página no Facebook!

 

Técnicas Agrícolas Fáceis

fazenda2 

A MELHOR RÁDIO DO BRASIL

UMAP-VCA

umap-555dfe

Parceiro

naturagua

NOSSOS ACESSOS PELO MUNDO!